Projeto de Internacionalização de Dramaturgias /Coleção Holandesa

NÚCLEO DOS FESTIVAIS INTERNACIONAIS DE ARTES CÊNICAS DO BRASIL: Colecionar um verbo que se conjuga junto.

A terceira edição do Projeto de Internacionalização de Dramaturgias constrói uma parceria com os Países Baixos. Nesta nova etapa, artistas brasileiros, de diferentes regiões do país, traduzem as obras holandesas e realizam leituras dramáticas dos textos. Em formato de residência artística, encenadores/as brasileiros/as, autores/as holandeses/as e companhias de teatro local compartilham o processo criativo e preparam as leituras que são apresentadas ao público, no lançamento das publicações que acontece nos Festivais do Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil.

Nesta edição, foram convidados/as para as traduções: Cris Larin - Spraakwater (Ressaca de palavras), de Frank Siera; Giovana Soar - Bij het kanaal naar links (No canal à esquerda), de Alex van Warmerdam; Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez - Alles (planeet Alles) (Planeta tudo), de Esther Gerritsen; Jonathan Andrade - I won’t play Medea (Eu não vou fazer Medeia), de Magne van den Berg; e Newton Moreno e Almir Martines - The Nation (A Nação - Uma peça em seis episódios), de Eric de Vroedt/Het Nationale Theater.

Esses textos que formam a “Coleção Holandesa”, publicados pela Editora Cobogó, dão continuidade e ampliam a biblioteca do projeto, e disponibilizam novos textos para criadores da língua portuguesa. Este processo gera encontros entre artistas, promove novas experiências, aproxima e constrói relações - verbos que ganharam outra dimensão pós-pandemia.

O Núcleo

O Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil está comprometido com o desenvolvimento socioeconômico e educacional, com o bem-estar e a promoção das artes cênicas do país. Sua missão é intensificar o intercâmbio cultural e estimular novas experiências artísticas. Desde 2003, os festivais que compõem o Núcleo, juntos, vêm formando uma rede onde circulam milhares de espetáculos e ações pelos estados da Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Distrito Federal.

O Projeto

O Projeto de Internacionalização de Dramaturgias, idealizado por Márcia Dias, diretora e curadora do TEMPO_FESTIVAL, trouxe o Núcleo para participar do projeto. Desta forma, a ação ganhou abrangência territorial e agregou um maior número de artistas e públicos. Esta relação e cooperação estimulou o intercâmbio, processos colaborativos de criação e a internacionalização de artistas e obras de artes cênicas. O Núcleo produziu as duas primeiras edições que traduziram as obras de autores espanhóis e franceses contemporâneos seguidas de encenação.

Em 2015, a “Coleção da Dramaturgia Espanhola” gerou desdobramentos: quatro montagens teatrais¹, uma indicação a prêmio² e a produção de um filme de longa-metragem exibido por diversos festivais.³ Em 2019, foi realizada a “Nova Dramaturgia Francesa e Brasileira”. A segunda experiência do projeto construiu uma via de mão dupla, traduziu e difundiu a dramaturgia francesa para o português (Coleção Dramaturgia Francesa, Editora Cobogó), e textos brasileiros para o francês. Em 2020, ainda como parte do projeto, seria a vez dos autores brasileiros cumprirem uma agenda de lançamentos dos seus textos traduzidos. Esta ação foi adiada pelas restrições impostas pela pandemia. Reprogramada para 2023, as leituras dramáticas dos textos brasileiros ocuparão o Théâtre National de La Colline, em Paris; Festival Actoral, em Marselha, e La Comédie de Saint-Étienne, na cidade que dá nome ao teatro.

Esta nova edição é uma conquista de todos, uma oportunidade para contar boas histórias, colecionar memórias e relações.

Nota¹:
A paz perpétua, de Juan Mayorga, direção de Aderbal Freire-Filho (2016)¸ indicação ao 29° Prêmio Shell de Teatro na categoria de Melhor Direção e ao 11º Prêmio APTR nas categorias de Melhor Direção e Melhor Espetáculo; O princípio de Arquimedes, de Josep Maria Miró, direção de Daniel Dias da Silva, Rio de Janeiro (2017); Atra Bílis, de Laila Ripoll, direção de Hugo Rodas (2018); CLIFF (Precipício), de Alberto Conejero, com Gustavo Gasparani, sob a direção de Fernando Philbert, que não estreou em 2021, por causa da pandemia.

²Indicação na Categoria Especial do 5º Prêmio Questão de Crítica, 2016.

³ Aos teus olhos, adaptação de O princípio de Arquimedes, com direção de Carolina Jabor (2018), ganhou os prêmios de Melhor Roteiro (Lucas Paraizo), Ator (Daniel de Oliveira), Ator Coadjuvante (Marco Ricca) e Melhor Longa de Ficção, pelo voto popular, no Festival do Rio; o prêmio Petrobras de Cinema, na 41º Mostra de São Paulo, de Melhor Filme de Ficção Brasileiro; e os prêmios de Melhor Direção, no 25º Mix Brasil, e Melhor Filme da mostra SIGNIS, no 39º Festival de Havana.

PROGRAMAÇÃO NO RESIDE-FIT/PE

LEITURA DRAMÁTICA E LANÇAMENTO EDITORA COBOGÓ Dia 28/9 às 19h – Teatro Hermilo Borba Filho (Também com transmissão ao vivo pelo instagram e no Canal RESIDE no Youtube)

TEXTO - Planeta tudo– Alles (planeet Alles) Da Dramaturga Esther Gerritsen, com tradução e direção de Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez

Atores Coletivo Caverna: Edjalma Freitas, Iara Campos, Mozart Oliveira e Naruna Freitas.


Autora Holandesa: Esther Gerritsen
Esther Gerritsen (Nijmegen, 1972) é dramaturga, romancista e roteirista. Estudou escrita para dramaturgia e literatura na Universidade de Artes de Utrecht (HKU). Em 1995, começou a escrever dramaturgia voltada tanto para o público adulto, quanto para o infantil. Entre suas peças, destacam-se Gras [Grama] (1999), Planeta Tudo (2002) e De dag en de nacht en de dag na de dood [O dia, a noite e o dia depois da morte] (2005). Embora tenha começado na dramaturgia, sua última peça foi escrita em 2011, quando passou a se dedicar a escrita de romances – muitos deles indicados ao Libris Literatuur Prijs, importante prêmio para romances de língua holandesa. Em 2014, recebeu o prêmio Frans Kellendonk pelo conjunto de sua obra. No audiovisual, é co-autora da série Red Light [Luz vermelha] (2020). Foi roteirista do filme Instinct [Instinto] (2019), premiado em festivais como Locarno, Toronto e Londres, e concorrente holandês ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2019.


Tradutores Brasileiros: Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez – Satyros (Brasil-São Paulo)

Direção: Rodolfo García Vázquez

Ivam Cabral (Ribeirão Claro, 1963) é ator, diretor, dramaturgo e cofundador, ao lado de Rodolfo García Vázquez, da Cia. de Teatro Os Satyros. Como dramaturgo, escreveu dezenas de textos, já traduzidos para espanhol, inglês e alemão; tendo sido editado em Angola, Cuba e Reino Unido. Recebeu importantes prêmios como Shell, APCA, Governador do Estado de São Paulo, Aplauso Brasil e Arcanjo de Cultura. É Diretor executivo da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, instituição que, ao lado de outros artistas e coletivos, sonhou e idealizou.

Rodolfo García Vázquez (São Paulo, 1962) é diretor, dramaturgo, cineasta. Dirigiu trabalhos em países como Estados Unidos, Suécia, Alemanha, África do Sul, Cabo Verde e Quênia, dentre outros. Recebeu importantes prêmios como Shell, APCA, Qualidade Brasil, Governador do Estado, Arcanjo de Cultura e Aplauso Brasil, entre outros. Desde 2020, faz parte do conselho editorial da revista Theatre, Dance and Performance Training (Routledge). É professor convidado das Universidades de Artes de Estocolmo e Helsinki, e é um dos fundadores e o coordenador do curso de direção da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco.


Coletivo Caverna (Brasil – Pernambuco)
(Arte, comunicação e morcegos)

Desde 2015, o Coletivo Caverna atua em diálogo com a comunidade de Ouro Preto, em Olinda, criando obras artísticas entre a rua e o palco que atravessam as áreas do cinema, da iluminação cênica, da artesania, da música e da performance. Fazem parte do Coletivo Caverna, Brunna Martins, Célia Regina, Gabriel de Godoy, João Guilherme, Luiz Manuel, Naruna Freitas e Romualdo Freitas. Entre arte, cultura e educação esse grupo de artistas age na transformação social política fazendo um convite a uma existência comum e poética.

Elenco: Edjalma Freitas, Iara Campos, Mozart Oliveira e Naruna Freitas.
Iluminação: João Guilherme de Paula, Vídeo: Gabriel de Godoy, Adereços: Romualdo Freitas, Produção: Luiz Manuel

PROJETO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE DRAMATURGIAS – COLEÇÃO HOLANDESA
Idealização, Direção Artística e de Produção
Márcia Dias

Coordenação de Produção
Paula de Renor

Comunicação
Felipe de Assis

Coordenação Geral Brasil
Núcleo dos Festivais Internacionais
de Artes Cênicas do Brasil


Coordenação Geral Holanda
Anja Krans

Editora
Cobogó

Consultoria de Tradução
Mariângela Guimarães

Realização
Buenos Dias Projetos e Produções Culturais
Núcleo dos Festivais Internacionais
de Artes Cênicas do Brasil

Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília
Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – FIAC BAHIA
Festival Internacional de Londrina – FILO
Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto – FIT Rio Preto
Mostra Internacional de Teatro de São Paulo – MITsp
RESIDE - FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de Pernambuco
TEMPO_FESTIVAL– Festival Internacional de Artes Cênicas do Rio de Janeiro

Saiba sobre a Plataforma BRAC
Link para Plataforma BRAC: https://plataformabrac.com